Não é novidade afirmar que a pandemia de COVID-19 veio afetar o funcionamento das escolas. Assim como também é fácil de compreender que os Projetos de Erasmus+ KA2, que estavam a decorrer na Escola Básica de Agrela e Vale do Leça (EBAVL), tenham sido afetados e as mobilidades de alunos que estavam previstas realizar tenham sido canceladas.

Em face desta realidade, os projetos tiveram de se adaptar e passaram a realizar as LTTA – Learning Teaching and Training Activities – em formato digital.

Assim, no âmbito do projeto Erasmus + KA 229, “Living with the Climate Change – Saving Life on Earth” realizou-se no dia 28 de janeiro uma videoconferência internacional, através do eTwinning Live, subordinada ao tema “Sea Treasures”, promovida pela Lituânia.

Nesta videoconferência participaram os países parceiros do projeto, nomeadamente: a França a Itália, a Grécia, a Espanha e Portugal.

Cada país abordou um aspeto relacionado com o mar, com a sua importância para o planeta e para a mitigação das alterações climáticas.

Os alunos portugueses das turmas de 8.º ano da EB de Agrela e Vale do Leça, que estão a trabalhar neste projeto Erasmus+ desde o ano letivo anterior, prepararam um trabalho sobre as pradarias e as florestas marinhas. Realizado em articulação entre as disciplinas de Oficina de Comunicação e de Ciências Naturais, o trabalho português sobre as riquezas marinhas baseou-se nas pesquisas das cientistas do Ocean Alive, a primeira cooperativa portuguesa dedicada à proteção do oceano https://www.ocean-alive.org/ . Tal como podemos ler no website da organização, “A ação da Ocean Alive é liderada por mulheres apaixonadas pelo mar.”

O produto final do trabalho realizado pelos alunos traduziu-se num vídeo que foi apresentado na conferência internacional. O vídeo também foi dado a conhecer à Ocean Alive que, na pessoa da investigadora Sílvia Tavares, enviou aos alunos e às professoras um agradecimento pela divulgação e pelo interesse no tema.

Além da promoção do trabalho colaborativo entre pares e do desenvolvimento da autonomia, a participação nesta atividade permitiu aos alunos trabalharem diversas competências consideradas no Perfil do Aluno à Saída da Escolaridade Obrigatória, especialmente Linguagens e Textos, Informação e Comunicação, Pensamento Crítico, Saber Científico.

Maria Amorim e Sandra Ladeira