O Jantar Queirosiano deste belo dia 20 de abril de 2018 continuou a ser, este ano letivo, o ponto alto da Semana da Escola, tendo incluído atividades diversificadas: no exterior da escola, concurso de montras (alusivas, este ano, às personagens de Os Maias), passeio pela cidade, a pé ou/e de charrette (gentilmente cedida pelo Dr. José Maria Castelo Branco, encarregado de educação de um aluno da escola), jantar, teatro, música, valsa e outro tipo de danças.

Tratou-se de uma atividade que envolveu toda a comunidade escolar, com um foco especial para os alunos do 11.º ano, que se vestiram a rigor, segundo as tendências da moda do século XIX, e desfilaram pelas ruas da cidade, transpondo para fora das portas da escola este momento, para que todos os Tirsenses pudessem desfrutar um pouco daquilo que é esta festa de celebração, de homenagem a Eça de Queirós, um dos maiores vultos da literatura portuguesa.

Neste dia cheio de luz e sol, os elegantes alunos, acompanhados por professores, concentraram-se no espaço exterior da Casa de Chá, no Parque D. Maria II, e dez alunas dançaram a valsa, para gáudio dos Tirsenses. Um espetáculo de beleza e de graciosidade. De seguida, dispersaram-se por bares, cafés e padarias locais e puderam saborear um pequeno lanche, oferecido gentilmente a pequenos grupos de alunos do 11.º ano: Pastelaria S. Bento, Praça, Casa de Chá, Café del Rock, Cor de Vinho, Pinguim, Cristo Rei, Confeitaria Moura, Gengibre, Bar Mali, Pastelaria Algarve, Beta e Pantir.

A atividade terminou na escola, com um jantar, cujo menu incluía pratos da ficção queirosiana (gastronomia também é cultura!), e, de seguida, foi divulgado pela Diretora do Agrupamento de Escolas D. Dinis, Dr.ª Cláudia Soares, o nome dos estabelecimentos comerciais (houve dezasseis participantes) vencedores do concurso de montras: 1º lugar, Papelaria/Livraria Vanda e Tentação Jóias; 2º lugar, Florista Florys; 3º lugar, Farmácia Central.

Passou-se, depois, à representação teatral de alguns episódios de Os Maias, perante o olhar atento e entusiasta de familiares dos alunos. Todos os momentos foram memoráveis, mas, para mim, o auge do Jantar Queirosiano foi, sem dúvida, a dramatização da obra de Eça de Queirós. Como eu desempenhei o papel de Ega em dois episódios, não posso deixar de destacar o episódio do Jantar no Hotel Central, que conseguiu gargalhadas acesas do público e momentos de muito boa disposição. Mas, certamente, outros acharão que o seu episódio era o melhor.

No Jantar Queirosiano, também contámos com danças da equipa de Desportos Gímnicos da professora Cláudia Figueiredo (para ilustrar emoções ou situações presentes no teatro) e com a valsa, cuja coreografia e ensaios ficaram a cargo da professora Olga Yulk, sempre uma referência nesta festa, porque é um momento em que as alunas podem exibir claramente, e de modo mais atrativo, os seus belos vestidos e os rapazes se sentem verdadeiros gentlemans.

Foi algo inesquecível, notável e mágico, a entrega dos alunos envolvidos no teatro, na valsa e no desfile no palco, e isto tudo graças ao esforço de todos os professores envolvidos, particularmente os do Clube de Teatro da escola e seus colaboradores, sem esquecer o contributo do nosso fotógrafo especial, o simpático professor Vítor Lopes, e o senhor Luís Soares como sonoplasta.

Penso que a atividade superou as expectativas. Indubitavelmente, um acontecimento que ficará guardado na memória de todos os participantes.

  António Soares, 11.º D, e Clube de Teatro da Escola Básica e Secundária D. Dinis