No dia 2 de maio, a nossa professora trouxe para a escola, num frasco, uma lagarta que encontrou na sua horta. Durante cinco dias, ela comeu, comeu, comeu tanta arruda e ficou tão gorda que se transformou em crisálida.

Um mês depois, o casulo estava a ficar preto e nós pensávamos que tinha morrido. No dia seguinte, transformou-se em borboleta e todos os meninos vieram à nossa sala de aula ver a vistosa borboleta voadora. O seu bonito casulo, muito amarelado, ficou com um grande furo lá dentro.

Quando a professora chegou à escola, soltamos a borboleta. Mal a soltamos, sentamo-nos a fazer um teste e ela voou para a camisola da Catarina, depois para o pé da Luana, em seguida para o chão e para o estojo do Guilherme…

Fomos almoçar e deixámo-la sozinha na sala. Quando acabou o intervalo, a borboleta voou para as costas da Margarida que não parava de gritar:

 -Professora, tire-a daqui!!!

 Então, a professora tirou-a e deixou-a voar para a beira das suas amigas.

Luís e Diogo

3.º Ano, Turma AG1-3 – Escola Básica Campinhos – Agrela