No dia 24 de janeiro de 2017, todos os alunos do 11º ano dos Cursos Profissionais da Escola Básica e Secundária D. Dinis, turmas E, F e G, na companhia de alguns dos seus professores, deslocaram-se ao Porto para assistirem à representação da peça «Frei Luís de Sousa» no teatro Sá da Bandeira, obra estudada pelos alunos nas aulas de Português.

Os alunos apreciaram o desempenho dos atores, a opção pela simplicidade em relação ao cenário, os efeitos sonoros e a interação com o público promovida por um dos atores no final da representação que também deu explicações sobre algumas opções cénicas.

Além da representação, os alunos ainda tiveram a oportunidade de fazer um pequeno percurso literário alusivo à figura de Almeida Garrett, autor da peça «Frei Luís de Sousa», com passagens pela rua onde se situa a casa onde o escritor nasceu em 4 de fevereiro de 1799, pela Praça Almeida Garrett e pela Avenida dos Aliados para se observar a estátua do grande poeta, escritor e dramaturgo.

 

A opinião de alguns alunos:

 

«Uma coisa de que eu gostei foi do passeio pela cidade do Porto.» Gonçalo, 11º E

«Eu gostei da encenação e da interação dos atores com o público.» Bruno Silva, 11º E

«Foi uma nova experiência a qual me fez entender melhor a obra «Frei Luís de Sousa.» Joana, 11ºE

«Boa organização de espaço e de tempo durante a visita e bom espírito de turma.» Bruno Azevedo, 11ºE

«A peça foi muito interessante, pois trata-se de uma história verídica que andamos a estudar nas aulas de Português. Por isso, estivemos atentos a cada pormenor e a cada fala dita pelos maravilhosos atores. Agradou-me o facto de não esconderem adereços nem outros aspetos aos espectadores.» Angélica, 11º F

 «Os atores estiveram todos muito bem, no entanto alguns estiveram mais à vontade, como foi o caso do ator que interpretava a personagem Telmo.» Hélder, 11ºG

«Nesta visita de estudo, achei positiva a ida ao teatro, pois ajuda a perceber melhor a peça.» Rui Costa, 11º G

«A transição visível no terceiro ato, relativa à entrada de D. Madalena e de Manuel de Sousa Coutinho na vida religiosa, teve uma carga emocional muito grande, dado que o «despir» das personagens simbolizava o despojamento dos bens materiais e a despedida da vida mundana.» Rui Ferreira, 11º G

«No final, gostei muito de ouvir algumas das falas das personagens ditas ao longo da peça.» Stéphanie, 11ºG