Testemunho dos alunos da D. Dinis sobre a atividade

Perguntem a Sarah Gröss… A pergunta fica com os leitores, com quem chegou à essência da questão, sentiu duas realidades e sobreviveu a uma história assustadoramente verídica.

“Holocausto” é uma palavra gravada na história do ser humano, por muitos guardada como tabu, como algo que aconteceu há muito tempo e se viveu num país muito distante. Mas não, João Pinto Coelho mostra-nos que foi vivenciado pelos nossos avós e gerações próximas, num país não tão longe assim, guardado no seio da Europa, onde os valores e os direitos humanos pareciam já estar tão bem definidos e assimilados…

Não foi longínquo, nem é antigo, mas independentemente disso, foi executado pela espécie humana.

O autor mostra-nos não só a visão das vítimas, de quem sofreu em silêncio, mas principalmente a dos espetadores, de quem viu em silêncio e não se revoltou, de quem discordou em silêncio, mas preferiu conformar-se.

Vivia-se numa antítese de realidades, em que a parte negra permanecia lúgubre, esperando e ansiando uma voz que se elevasse e se impusesse.

Talvez a pergunta possa ser dirigida a nós: “O que faríamos se fôssemos nós? Observaríamos em silêncio, ou falaríamos mais alto?”

 Ana Margarida Lopes, 10.º C

O livro Perguntem a Sarah Gröss visto pelos alunos

Holocausto – Esta palavra assusta muitas pessoas, pois, de toda a História, este foi o período mais negro, onde os valores foram descartados.

João Pinto Coelho, com o seu testemunho e o livro, mostra-nos a verdade da História e da Cultura que os nossos parentes passaram. Nós, hoje em dia, não vivemos em paz, mas não vale a pena revoltar-se por isso, pois já houve quem sofresse mais do que nós.

Com profunda emoção, fez-se a apresentação de uma obra emblemática com o propósito de mostrar os erros que não queremos voltar a cometer, mas que nos perseguem como fantasmas e nos magoam deixando feridas profundas.”

 Sara Monteiro, 10.º F  

“Por vezes, na História, é feita uma enorme mancha que nunca se irá embora.”

Marcelo Marques, 10.º F

“O encontro com o escritor foi muito enriquecedor. Refletir sobre o passado ajudou-me a perceber o que fazer num futuro próximo… devemos saber em quem votamos, conhecer as propostas e avaliá-las …. Vou ler o livro, pois fiquei curiosa…”

 Diana Pinto, 9.º B

“O encontro com o escritor João Pinto Coelho foi enriquecedor na medida em que contribuiu para aumentar a cultura geral dos alunos sobre o Holocausto, que é um assunto muito delicado. A apresentação do livro “Perguntem a Sarah Gröss” foi divertida, mesmo tratando-se de um assunto sério, convém ser-se apelativo, sobretudo quando se fala para adolescentes”.

Francisca, 9.º B

“Na minha opinião, a atividade com o escritor João Pinto Coelho foi uma espécie de aula de História … uma aula sobre o Holocausto. Ficamos a saber o que os judeus passaram nas mãos de Hitler. O livro que o autor escreveu “Perguntem a Sarah Gröss” retrata a cidade de Auschwitz, antes e durante o Holocausto. Eu não acredito que conseguisse fazer o que o escritor fez, ou seja, pisar Auschwitz.“

Rui Santos, 9.º C