No âmbito das disciplinas de História da Cultura e das Artes e Filosofia, as turmas E do 11.º ano e C do 10.º ano da Escola Básica e Secundária D. Dinis realizaram, nos passados dias 18 e 19 do mês de março, uma visita de estudo a Sintra/Lisboa.

Logo pela manhã, o entusiasmo e a energia eram visíveis e, apesar das previsões climatéricas não serem encorajadoras, o nosso grupo, coordenado pelas professoras Mónica Nogueira, Alice Coutinho e Madalena Moreira, partiu por volta das 8h45 com destino a Mafra, na sexta-feira, dia 18. No referido destino, fizemos um breve almoço e tivemos a oportunidade de conhecer a Escola Secundária de Mafra, bem como a fachada e a dimensão do paradigma nacional dos períodos Barroco e Rococó que torna esta cidade num local de referência para os turistas: o Convento de Mafra.

Nesse mesmo dia, na parte de tarde, visitamos uma das maiores atrações da vila de Sintra: o Palácio da Pena. Num ambiente romântico, proporcionado pelo próprio palácio e pelo seu jardim do mesmo movimento (literário e artístico), nós dividimo-nos em grupos e deixamo-nos levar por toda a história e detalhes sob os quais este ícone nacional se edificou. Para além do nevoeiro que envolvia todo o palácio e toda a paisagem circundante e que nos impediu de visionar toda a vila de Sintra, a visita foi extremamente interessante, proporcionando-nos um regresso ao passado da nossa nação.

O dia terminou muito bem na Pousada da Juventude de Catalazete, em Oeiras, onde jantamos e pernoitamos, apesar dos pequenos percalços que atrasaram a nossa chegada ao local de repouso, já que tivemos que descer a pé do Palácio da Pena até à vila de Sintra.

O dia 19 começou com uma pequena caminhada, por volta das 10h30, até ao Museu Nacional de Arte Antiga, cujo espólio artístico tivemos oportunidade de conhecer e contemplar.

A visita continuou e seguimos para um dos centros de atração turística de Lisboa, ou seja, o Terreiro do Paço e o Rossio, locais que pudemos conhecer e onde almoçamos. Daqui deslocamo-nos até ao CCB (Centro Cultural de Belém) para conhecer a parte relacionada com a Arte Contemporânea da Coleção Berardo. Esta visita, na minha opinião, foi particularmente interessante, pois, por meio de uma guia excelente, entramos em contacto com um entendimento sobre a produção artística completamente diferente da que temos estado em contacto nas aulas de História da Cultura e das Artes referente a tempos mais longínquos como a Arte Grega, Romana, Gótica, Renascentista, Barroca, entre outras. Foi, sem sombra de dúvida, a melhor forma de terminar as atividades que estavam previstas serem realizadas nesta visita de estudo.

Por conseguinte, na minha opinião, a experiência foi muito positiva e frutífera e anseio que seja algo que se repita num futuro próximo.

Eduarda Silva, 11.º E