No passado dia 4 de março, os alunos do 12.º ano da Escola Básica e Secundária D. Dinis deslocaram-se ao Palácio Nacional de Mafra. Esta visita realizou-se no âmbito da disciplina de Português e do estudo da obra “Memorial do Convento”, de José Saramago.

Partimos de manhã cedo, tendo chegado a Mafra antes da hora do almoço. Fizemos um piquenique num agradável jardim ao pé do palácio – o Jardim do Cerco.

Depois do almoço, assistimos à peça de teatro “Memorial do Convento”, que teve lugar no próprio palácio. A peça foi organizada pela ÉTER Produção Cultural. As primeiras cenas tiveram lugar numa espécie de sala multimédia. Os atores eram bastante convincentes e a peça, que integrou várias passagens cómicas, foi interativa e do agrado de todos.

Após a representação teatral, enquanto esperávamos pela visita guiada ao palácio, tivemos oportunidade de observar algumas belíssimas aves de rapina e de tirar fotografias.

A visita guiada ao Palácio foi orientada especificamente para o estudo do livro “Memorial do Convento”, de José Saramago, e foi muito interessante. Nesta visita, a guia explicou-nos quais os aspetos do livro que são factos históricos e quais são ficção. Passamos pela basílica, depois pelos aposentos do rei D. João V, mais tarde, pelos da rainha D. Maria Ana Josefa, vimos ainda um piano do século XVIII, passamos por uma sala onde o rei expunha os seus troféus de caça e por muitas outras salas. Contudo, o local que despertou mais a nossa atenção foi a biblioteca. Das diversas bibliotecas que foram construídas no século XVIII, a do Convento de Mafra é considerada a mais notável e requintada deste período. Em todos estes sítios, pudemos observar os traços do barroco e rococó portugueses.

Nesta visita de estudo, por um lado, o teatro foi importante, porque contribuiu para a nossa compreensão da obra e, por outro, a visita guiada foi bastante enriquecedora, não só no âmbito do “Memorial do Convento”, mas também do ponto de vista histórico, cultural e artístico.

Cada experiência vivenciada fez com que os alunos ficassem com mais vontade de acabar de ler o livro “Memorial do Convento”.

Lara Maia, 12.º E